Governo adia prazo para controle de estabilidade obrigatório


Contran atende pedido das fabricantes e recurso só será adotado em 100% dos veículos novos em 2024
O prazo para adoção do controle eletrônico de firmeza (ESC) e outros itens de segurança em 100% dos veículos leves novos foi diferido pelo Juízo Vernáculo de Trânsito (Contran), órgão vinculado ao Ministério da Infraestrutura. Antes prevista para 2022, a obrigatoriedade do ESC em todos os modelos vendidos no Brasil foi prorrogada para 1º de janeiro de 2024.As mudanças constam na solução Solução nº 799 do Contran, de 22 de outubro de 2020. Anteriormente, janeiro de 2022 era o prazo-limite para que todos modelos (nacionais e importados) adotassem o ESC de série. A novidade norma também adia em 2 anos o prazo para que 50% dos veículos novos tenham o item – agora, somente em janeiro de 2023.
De contrato com o Ministério da Infraestrutura, o protraimento de prazos foi uma solicitação da Associação Vernáculo dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) e é justificável “devido à pandemia do coronavírus”. A obrigatoriedade do item para novos projetos, válida desde o início de 2020, segue uma vez que está, sem alterações.A solução 799 não somente adia o prazo de obrigatoriedade do ESC, uma vez que prorroga também as datas para adoção de outros recursos de segurança em 100% da frota de veículos zero-quilômetro. São eles: luzes de rodagem diurna (diferido de janeiro de 2021 para janeiro de 2024), alerta de não afivelamento de cintos de segurança (moroso de 2023 para 2024), luzes repetidoras laterais (de 2021 para 2024), luzes de frenagem de emergência (de 2021 para 2024) e regulagem de profundeza dos faróis (de 2021 para 2024).Outra mudança é a diferença da data de obrigatoriedade de teste de impacto lateral nos processos de homologação de todos os veículos, que passou de janeiro de 2023 para janeiro de 2024.Fotos: Registro





Fonte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × um =