Proteste lista os erros mais comuns ao contratar seguro do carro



Crédito: Designed by jcomp / Freepik
Informações incompletas ou erradas podem fazer com que a seguradora se recuse a prometer a cobertura
 
O seguro do carro pode variar bastante em função não só da empresa contratada, mas também do perfil do segurado. Por isso, é fundamental fornecer as informações corretas na hora de fechar o contrato. Outrossim, informações erradas podem fazer com que a empresa se recuse a prometer a cobertura.
“Se o seguro for contratado de forma errada, o consumidor poderá ter problemas na hora da cobertura do sinistro. Assim, é fundamental pesquisar as opções existentes , averiguar as coberturas de cada apólice e fornecer informações corretas na hora de assinar o contrato”, alertou Alexandre Rodrigo, profissional da Proteste.

Por isso, a Proteste lista a seguir algumas dicas para evitar problemas.

1. Não informar o nome de todos os condutores

Se outras pessoas também conduzirem o veículo, é fundamental informar isso na apólice, ainda que ela esteja no seu nome. Se ocorrer qualquer sinistro enquanto o veículo estiver com outro condutor que não o principal, a seguradora não é obrigada a ocultar o valor contratado.

2. Não informar os locais de circulação do veículo

O valor do seguro sempre considera os locais por onde o veículo costuma trafegar, avaliando os riscos nessas regiões – há bairros com maiores incidências de roubo e rapacidade de veículos. É por isso que as perguntas incluem se o veículo fica em garagem ou não e se o segurado utiliza o veículo para trabalhar.

3. Desconhecer detalhes da cobertura e da franquia

É importante que você conheça todos os detalhes do contrato. Alguns critérios podem impactar o dispêndio e, muitas vezes, o consumidor nem presta atenção a eles, porquê a inclusão de veículo suplente ou o valor da franquia. Lembre-se que existem opções de franquia reduzida, mas com valor mais saliente do seguro. Consulte ainda as exclusões previstas no contrato, ou seja, as situações em que a seguradora não será obrigada a prestar assistência, assim porquê possíveis coberturas complementares.




Fonte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

sete − seis =