Conheça os 42 anos de história da picape Mitsubishi L200


A história da picape Mitsubishi L200 completa 42 anos
A a história da picape Mitsubishi L200 começa em 1978. O mundo estava mudando. O game Space Invaders se espalhava pelos fliperamas em todo o planeta e a indústria de videogames encantava milhões de pessoas. A primeira rede de telefonia celular estava sendo construída no Japão, enquanto recém-lançado filme Superman lotava as salas de cinema.
Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que pareceMitsubishi L200 Triton Outdoor volta com preços a partir de R$ 149.990
Foi neste cenário que a Mitsubishi apresentava ao mundo sua picape com capacidade de trouxa de mais de uma tonelada. As primeiras unidades do padrão receberam o nome de Potente, apesar de alguns países já adotarem desde aquela estação a {sigla} L200.
Veja a história da picape Mitsubishi L200 em fotos

Assim chegava ao mercado uma vez que um veículo robusto, com opções de motores de 1.6 a 2.6 litros e tração traseira, projetado para oferecer uma combinação de confiabilidade, robustez e ampla capacidade de trouxa.
Cinco gerações e mais de quatro décadas depois, o padrão se consolidou uma vez que o mais vendido da marca em todo o mundo, com mais de 5 milhões de unidades comercializadas em mais de 180 países. A capacidade de carregar mais de uma tonelada sempre esteve presente.
Desde sempre, a risca L200 foi concebida para ser um legítimo all terrain. As primeiras opções com tração 4×4 foram introduzidas em 1980 e se tornaram a base para os veículos 4WD até os dias de hoje. Por essa mesma base surgiram as linhas Pajero, por exemplo.
A segunda geração
Em março de 1986 veio um novo marco na história da picape, quando a Mitsubishi apresentava a segunda geração da L200, que trazia design renovado, três opções de cabines (simples, dupla e estendida) e novas opções de motores, incluindo o 2.5 Diesel. Ao longo da dezena o padrão, rebatizado de Triton em alguns mercados, foi se tornando fundamental para os negócios de montadora.

Também batizada em alguns países de Strada, a picape tinha opções de tração traseira ou 4×4 e conquistou principalmente os mercados dos EUA e Austrália onde eram vendidas com o nome de Mighty Max e Triton, respectivamente.
Ao todo, murado de 1,146 milhão de unidades da segunda geração da L200 saíram das linhas de montagem das fábricas de Ohe (Japão), Laem Chabang (Tailândia) e também de Catalão (Brasil).
Novas mudanças em 1995
A terceira geração chegava em novembro de 1995 com mudanças profundas no design tanto por dentro quanto por fora. Nessa estação, a teoria da Mitsubishi era produzir uma picape que unia o conforto e tecnologia de um veículo de passeio com a já renomada capacidade e robustez da risca L200.
Quais os trunfos da Ringir para pleitear com a novidade S10O que uma picape pode fazer por seu estilo
O motor passou a ser um 2.5 Turbodiesel e para o sistema de tração foi adotado o Easy Select 4WD, que permitiu ao motorista escolher o modo de tração mais adequado para o piso em que o padrão trafega, com o veículo em movimento.
Algumas versões ganharam sistema de freios ABS, além do sistema R/D Lock (bloqueio do diferencial traseiro), que evitava que a roda com menos tração patine enquanto a de maior tração permaneça imóvel. No Brasil, esta geração batizada de L200 Sport foi a 1ª picape diesel brasileira equipada com câmbio automático.

A quarta geração
A quarta geração foi apresentada em agosto de 2005 e era produzida principalmente na fábrica da Mitsubishi Motors na Tailândia, de onde os modelos eram exportados para mais de 150 países. Poucos meses depois, o padrão passaria a ser produzido no Brasil com o nome de L200 Triton.
O veículo foi produzido com base em três pilares-chave que tinham por objetivo manter a L200 uma vez que a melhor opção dentro do mercado de picapes em todo o mundo: 1º – Ultrapassar os padrões básicos de economia, espaço e confiabilidade. 2º – Oferecer os mais altos padrões de qualidade em graduação global. 3º- Atender aos mais variados perfis de clientes sendo um veículo que não se limitava somente ao uso mercantil.
Leste concepção foi batizado dentro da Mitsubishi uma vez que SUT (Sport Utility Truck), uma mistura de SUV com um veículo de trouxa. Esta geração introduziu o concepção “J´line” na carroceria, que propiciou maior inclinação do encosto do banco traseiro, aumentando o conforto dos passageiros, sem prejudicar o tamanho da caçamba.
Entre as principais características da quarta geração da risca L200 estavam a introdução de um design interno e extrínseco totalmente atualizado, que sugere elegância, robustez e esportividade. A picape trazia o maior espaço interno da categoria e um conjunto de suspensão totalmente novo, que proporcionava conforto de um carro de passeio aos ocupantes.
Esses elementos não somente destacaram a capacidade de inovação do TRITON / L200 no mercado, mas dissiparam a imagem universal das picapes uma vez que meros veículos comerciais. Isso expandiu muito a base de clientes das picapes da Mitsubishi Motors.
Um motor a diesel 3.2 litros desenvolvido com tecnologia de injeção direta common rail desenvolvia subida potência enquanto alcançava insignificante consumo de combustível além de baixos níveis de emissões, vibração e de soído.
A carroceria foi projetada para obter o mais tá nível de resistência ao choque em sua categoria.
A participação no Rali Dakar e em outras categorias do gênero comprovou que o padrão era perfeito para qualquer tipo de terreno. Ao todo, mais de 1,43 milhão de unidades da quarta geração foram produzidas entre 2005 e 2017.

Novidade geração em 2014
A quinta geração da risca L200 começou a ser produzida em 2014 e ampliou ainda mais o concepção de conseguir atender aos mais variados perfis de clientes. Usabilidade e espaço aprimoradas para uso mercantil, uma sensação esportiva de que o padrão é fácil e jocoso de guiar, sua qualidade e conforto para todos os passageiros são características que foram bastante reforçadas.
O padrão ganhou o primeiro motor a diesel em alumínio para um veículo do segmento, além da tecnologia MIVEC, o que diminuiu ainda mais os níveis de emissões e ruídos além de otimizar bastante o consumo do motor 2.4 Turbodiesel.
Leste motor que introduziu o concepção de “downsizing” nas picapes diesel tem desempenho superior, maior economia de combustível e menor nível de emissões quando comparado com a geração anterior. Tudo isso sem afetar a renomada espaço dos motores da marca.
O sistema de transmissão manual de 6 velocidades também era oferecido pela primeira vez, substituindo o anterior de 5 marchas.
Já a tração ganhou ainda mais melhorias; além do sistema “Easy Select 4WD” que tem três posições: 2H, 4H, 4L para fornecer tração ideal para se adequar às condições da estrada, algumas versões receberam o sistema “Super Select 4WD-II”, com um atuador eletrônico. O sistema é o mais completo da categoria, com 4 posições, incluindo opção para uso no asfalto sedento.
A história da picape Mitsubishi L200 no Brasil
Por cá, as primeiras unidades da L200 começaram a chegar ao longo de 1991, por meio de importações independentes e na sequência através da HPE. O sucesso da picape no País foi repentino e suficiente para, poucos anos depois, algumas unidades do padrão serem produzidas em uma unidade industrial em Manaus (AM). A partir de 1998, a HPE Automotores inaugurou sua fábrica em Catalão (GO) para a produção da L200, de forma a atender a uma demanda crescente de pedidos pelo padrão.

A fábrica, que começou com 12.000 m² de dimensão construída, hoje conta com quase 250.000 m², incluindo uma fábrica de motores que produz inclusive os modernos motores diesel de alumínio da L200 e uma instalação de pintura recém-inaugurada e uma das mais modernas do Brasil.
Nos 22 anos de história, mais de 300 milénio unidades da picape L200 foram produzidas em Catalão. Desde a 2ª geração, que foi a 1ª a ser produzida no Brasil, até o momento, as picapes L200 brasileiras sempre se mantiveram atualizadas com os modelos produzidos na Tailândia. Porquê curiosidade, ao longo dos anos, a Tailândia tornou-se núcleo mundial de desenvolvimento e produção de picapes de quase todas as marcas.
As L200 produzidas no Brasil recebem modificações estéticas e mecânicas para melhor adaptação ao paladar dos brasileiros e condições de nossas estradas. Modelos exclusivos, uma vez que a L200 Savana, foram totalmente desenvolvidas localmente.
Os ralis e eventos promovidos pela Mitsubishi Motors no Brasil ajudaram a fazer da risca L200 muito mais do que uma picape de trabalho. O padrão passou a ser procurado pelos mais distintos perfis de clientes uma vez que praticantes de esportes, amantes de um estilo de vida ao ar livre, amantes da prática off road, famílias, entre outros.

A risca L200 também é, há décadas, utilizada uma vez que veículo de escora durante o Rali dos Sertões, mais desafiadora competição fora de estrada da América Latina.
A espaço e robustez da risca L200 também ganhou a preferência de diversos órgãos oficiais espalhados pelo País, que utilizam a picape uma vez que viaturas do Corpo de Bombeiros, Polícia Florestal e da Polícia Militar, veículos de frota de diversos Departamentos de Trânsito, entre outros.
Não à toa, o padrão se consolidou com o mais comercializado pela marca japonesa no País, com murado de 40% do totalidade de vendas.
Ainda leste ano, a marca japonesa apresentará no mercado brasílico a risca L200 Triton Sport 2021, que chega com visual completamente renovado, mais tecnologia, novo sistema de transmissão e ainda mais capacidade 4×4.
Veja também
+ A livraria básica do motociclista cool+ Tomografia revela que múmias egípcias não são humanas+ Varão compra Lamborghini depois fraude em auxílio emergencial+ Restaurar um carro: quanto custa e quanto ele pode valorizar





Fonte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

seis + 18 =