Avaliação: Fiat Strada Cabine Plus erra no nome, mas acerta na fórmula


Depois de alguns dias ao volante da novidade Fiat Strada Freedom Cabine Plus, devo expressar que a Fiat acertou na fórmula da picapinha, mas errou no nome. Porque nessa versão, mais focada na trouxa do que nos passageiros, a caçamba é espaçosa, mas não se pode expressar o mesmo da cabine. Portanto, deveria se invocar Caçamba Plus, e não Cabine Plus.
Avaliamos a novidade Fiat Strada Cabine Plus, ou Fiat Novidade Strada Cabine Plus, porquê prefere a marca, na versão Freedom. Vendida por R$ 71.990, é a única desta novidade geração com cabine simples e mecânica Firefly 1.3 16V – a Endurance Cabine Plus, de R$ 64.990, vem com o velho Fire 1.4, que é muito menos potente (21 cv a menos) e muito mais gastão.

A CAÇAMBA
Vamos iniciar pelo maior destaque da Fiat Strada Cabine Plus, e que deveria ser evidenciado em seu nome: a caçamba. A Fiat Strada Cabine Plus tem uma caçamba ainda maior do que tinha na geração anterior. Embora a capacidade de trouxa, em peso, tenha se mantido em 720 quilos, a caçamba ficou maior e principalmente mais “fundíbulo” – e, portanto, cresceu no volume, que passou de 1.220 para 1.354 litros.
+Avaliação: Mitsubishi L200 Triton Sport reage à S10 e se prepara para Hilux+Comparativo: Chevrolet Onix vs. Hyundai HB20 (um novo patamar)+Avaliação: Toyota Corolla GLi é o melhor sege para comprar com R$ 110 milénio+Avaliação: Toyota Mirai é o elétrico que dispensa recarga
Para se ter teoria, é mais espaço do que oferecem as “picaponas” com cabine dupla – modelos do segmento médio porquê Chevrolet S10 (1.061 litros), Ford Ringir (1.180 litros) e até a campeã em volume, VW Amarok (1.280 litros). Sim, sei que as médias com cabine dupla levam mais peso, uma tonelada ou mais – mas, para grande segmento dos usuários de picapes (diria que a maioria), importa mais o volume do que o peso (com cabine simples, as médias superam a Strada, obviamente, com tapume de 1.500 litros, mas custam o duplo).

Pude testar na prática o volume da cabine para uma missão pessoal: transportar um sofá-cama de par. Achei que, pelo tamanho dele, teria que permanecer “bravo” em uma das bordas da caçamba, meio para fora. Mas, para minha surpresa, ele encaixou certinho – deu até para fechar a tampa, sem problemas.
Além do bom volume, a caçamba me agradou por ter uma capota marítima que veda muito, uma luz dedicada para carregá-la de noite e, principalmente, por enfim ter uma trava elétrica, que fecha junto com as portas da picape, usando o comando na chave (porquê na Toro). Assim, o motorista fica mais seguro para levar coisas na caçamba, mesmo que pegue chuva ou estacione na rua. Aliás, com essa cabine simples, é na caçamba que ele precisará levar suas coisas (a menos que esteja sozinho e use o banco do passageiro para isso). 
A CABINE

Sim, porque o que não tem zero de “plus” nesta Fiat Strada Cabine Plus é o espaço disponível na cabine. Não sobra quase nenhum vão livre para zelar as coisas detrás dos bancos. Aliás, falta até mesmo um aprimoramento detrás deles – ali há exclusivamente lata.

Já em relação ao resto do habitáculo, apesar de alguns haters da internet falarem em “cabine de Mobi”, não achei que a topo de risco Volcano (leia cá a avaliação) fuja muito à regra do segmento para carros aquém de R$ 100 milénio (e até de alguns mais caros do que isso). Cá, a coisa piora um pouco, mas não é no aprimoramento do quadro.
Levante é também simples, sim, mas com tudo fácil de usar – incluindo o volante, que tem uma boa pegada e diversos comandos do som, computador de bordo e funções do sege. O volante multifunção, porém, é opcional, segmento de um pacote de R$ 2.990 que inclui a médio multimídia Uconnect de 7″ (com o prático Android Auto sem fio!), tweeters, câmera de ré e sensor de estacionamento (sem ele, vem só o rádio com USB).
COMO ANDA
Nesta versão mais ligeiro, o motor 1.3 flex de até 109 cv, o mesmo usado hoje pela cabine dupla topo de risco, mostra disposição surpreendente no uso urbano. As relações de transmissão são curtas e próximas nas primeiras marchas, para ajudar a sustentar melhor a caçamba carregada. Marcamos, circulando no trânsito de São Paulo, médias de 10 km/l.
Já na estrada, porquê na cabine dupla, também por pretexto das relações do câmbio manual de cinco marchas, o motor vai em rotações altas demais (quase 4.000 rpm), e seu  sonido invade a cabine sem muito pudor (merecia uma sexta). Mas ao menos as médias de consumo foram boas, muito na fita de 15 km/l. Neste cenário, o desempenho não agrada tanto, pois falta potência para respostas mais vigorosas em ultrapassagens e retomadas.
Em relação às suspensões, são preparadas para transportar cargas mais pesadas, logo ao rodear com a caçamba vazia a traseira pula mais do que na versão cabine dupla. Não chega a ser muito desconfortável, mas, dependendo do piso, torna-se cansativa para os ocupantes. Já a direção responde muito, com peso sempre correto.
CABINE ESTENDIDA?
Para quem precisa transportar objetos volumosos, porquê bicicletas ou até mesmo uma moto, e vai andejar sozinho ou no supremo com outra pessoa, esta Fiat Strada Cabine Plus atende muito muito, apesar das falhas de aprimoramento e do pouco espaço na cabine. E, dependendo do quando e de onde se roda, pode ser vantajosa mesmo se comparada à versão mais barata, com motor 1.4, pois gastará muito menos combustível, além de entregar uma dirigibilidade muito mais deleitável, com mais flexibilidade e respostas mais lineares.
Para quem não faz questão de cabine dupla, fica a incerteza: porque a novidade geração da Fiat Strada não tem uma opção intermediária? Se a cabine dupla oferece quatro lugares, mas com uma caçamba que pode ser pequena demais para muitos, e esta versão tem uma caçamba enorme, mas uma cabine demasiadamente apertada, porque logo não ter uma cabine estendida, porquê na geração anterior? Ela poderia se invocar… “cabine plus”?

FICHA TÉCNICA
FIAT STRADAPreço obrigatório: R$ 63.590 (motor 1.4 Fire)Sege medido: R$ 72.480
Fiat Strada Freedom Cabine PlusMotor: quatro cilindros em risco 1.3, 8VCilindrada: 1332 cm³Combustível: flexPotência: 101 cv (g) e 109 cv a 6.250 rpm (e)Torque: 13,7 kgfm (g) e 14,2 (e) kgfm a 3.500 rpmCâmbio: manual, cinco marchas  Direção: elétricaSuspensão: MacPherson (d) e eixo rígido (t) Freios: Disco ventilado (d) e tambor (t) Tração: DianteiraDimensões: 4,474 m (c), 1,732 m (l), 1,607 m (a)Entre-eixos: 2,737 mPneus: 195/65 R15Caçamba: 1.354 litros ou 720 kg Tanque: 55 litrosPeso: 1.092 kg0-100 km/h: 12s3 (g) e 11s (e)Velocidade máxima: 164 km/h (g) e 168 km/h (e) Consumo cidade: 12,8 km/l (g) e 9 km/l (e) Consumo estrada: 14,2 km/l (g) e 9,8 km/l (e)Emissão de CO2: n/dNota do Inmetro: B*Classificação na categoria: A* (Picape compacta)*estimadas
Veja também
+ A livraria básica do motociclista cool+ Tomografia revela que múmias egípcias não são humanas+ Varão compra Lamborghini posteriormente fraude em auxílio emergencial+ Restaurar um carro: quanto custa e quanto ele pode valorizar





Fonte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × 3 =