Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece


Se um olhar diz muita coisa, é com ele que a novidade Chevrolet S10 High Country quer intimidar as rivais do segmento. Uma das novidades da risca 2021 da picape média, que acaba de estrear (leia mais cá), está justamente na frente, que ganhou uma atualização estética alinhada aos utilitários globais da marca – porquê a “mana” americana Colorado. Mas a atualização não se limita a isso, e, porquê veremos, há também boas novidades mecânicas e tecnológicas.

A “cirurgia plástica” da Chevrolet S10 2021 trouxe novo para-choque, que aumentou o ângulo de ataque de 27º para 29º, luzes auxiliares reposicionadas para cima e grade do radiador com a letreiro “Chevrolet” por extenso, em tá relevo. Pela primeira vez o logotipo da “gravatinha” não está no meio, mas deslocado para a esquerda. Mais ou menos porquê o que foi feito na novidade Fiat Strada (leia cá).
O novo visual com um toque mais esportivo diferencia muito a versão topo de risca avaliada cá do restante da família S10. Ou por outra, as novas rodas aro 18” desta Chevrolet S10 2021 High Country (mesma medida da feitio LTZ) exibem as bordas usinadas e os raios pintados de preto.
Detrás, a “picapona” manteve o design muito resolvido, mas a tampa da caçamba estreou agora um novo sistema de amortecimento, que deixou o manuseio bastante suave, além de a peça não “desabar” de uma vez na hora da exórdio (nascente sistema agora está à venda porquê inferior para as configurações LS, Advantage, LT e LTZ).

De uns tempos para cá, é inegável que as dimensões das picapes médias em universal tomaram proporções bastante avantajadas… que os proprietários constumam gostar, pois impõe saudação em meio ao trânsito. No caso da Chevrolet S10 2021, são exagerados 5,361 m de comprimento e 3,096 m de entre-eixos – praticamente o mesmo porte da clássica D20 Cabine Dupla dos anos 90, que tinha 5,340 m e 3,230 m, respectivamente, e permitia transportar até seis ocupantes.
+Avaliação: ao volante do Ford Territory (será um negócio da China?)+Ford Territory: preços, equipamentos, avaliação e galeria de fotos+VW T-Cross é o carruagem mais vendido do Brasil (mas só por um mês)
POR DENTRO

Chevrolet S10 2021 – interno

A cabine desta novidade Chevrolet S10 2021 também mudou pouco em relação ao padrão predecessor, mantendo a boa posição de encaminhar e os comandos muito posicionados à mão. Entretanto, houve uma atenção privativo à conectividade. Seguindo os passos do Cruze, da dupla Onix/Onix Plus e do SUV Tracker, agora chega à picape média o sistema de wi-fi nativo que permite conectar sete dispositivos, a até 15 metros do veículo. A comodidade é oferecida em parceria com uma operadora de celular. Também está presente o já espargido e prático serviço de concierge OnStar.
A Chevrolet S10 2021 tem o sistema multimídia MyLink 3.6, que possui interface amigável, e um software que responde rápido aos toques na tela de 8”. A conectividade com Android Auto e Apple CarPlay ocorre sem a urgência de cabos.
Já a câmera traseira integrada na maçaneta da caçamba de 1.329 litros transmite imagens em subida solução e linhas guias, por exemplo, para facilitar a vida do motorista na hora de engatar uma “carretinha”. Falando nisso, a Chevrolet S10 agora oferece um controle eletrônico de oscilação de trailers, capaz de identificar eventuais instabilidades nos reboques e frear as rodas da picape.
Respostas (mais) progressivas
Mas as novidades da Chevrolet S10 2021, porquê dissemos, vão além das aparências. E o motorista vai notar que a picape mudou também ao volante. Isso porque, sob o capô, o espargido motor 2.8 a diesel estreia um novo turbocompressor, emprestado da americana Colorado. Não houve mudanças nos números da ficha técnica, e nem precisava: a S10 continua transmitindo ótimos 200 cv de potência e impressionantes 51 kgfm de torque.
No entanto, com a adoção de um novo “caracol”, as respostas da picape ficaram mais progressivas e o famoso turbo lag – detença antes do turbocompressor encher – foi reduzido. Desta forma, a picape ficou mais rápida nas acelerações e nas retomadas, o que garante mais segurança na hora das ultrapassagens.
A boa dirigibilidade é auxiliada pela eficiente transmissão automática de seis marchas, que recebeu novidade calibração e ainda ganhou a opção de trocas manuais (somente pela alavanca).
Suspensões muito acertadas
Mesmo circulando com a caçamba sem nenhuma trouxa, o acerto das suspensões agrada em pleno, principalmente por não transmitir aquele incômodo “pula-pula” ao trafegar sem trouxa por pisos ruins. O muito estar a bordo também é auxiliado pelos pneus Michelin LTX Force, que ajudam na tarefa de amortecer as irregularidades do piso.
Embora tenha mais de cinco metros de comprimento, dá para conviver muito no cotidiano com a Chevrolet S10 graças à sua surpreendente manobrabilidade, que permite entrar e trespassar de vagas apertadas sem muitas manobras.
A direção assistida eletricamente é precisa e bastante ligeiro ao esterço, seja em baixa velocidade ou mesmo paragem – além de transmitir um peso bastante correto ao encaminhar em velocidades mais altas.

Chevrolet S10 2021 – detalhes

Para maior segurança, a “picapona” recebeu reforços estruturais na carroceria e ficou 20% mais resistente a impactos dianteiros. Estão presentes seis airbags (frontais, laterais e de cortinado), alertas de colisão frontal, de saída involuntária de filete e os controles eletrônicos de tração/segurança.
Frenagem automática
Uma novidade da Chevrolet S10 2021 é o sistema de frenagem autônoma de emergência, que funciona em velocidades entre 8 e 80 km/h e é capaz de identificar carros e pedestres por meio de uma câmera instalada no tá do para-brisa.
No termo, a S10 mudou mais do que pode parecer, e as novidades fizeram (muito) muito ao utilitário médio. O visual repaginado a deixou com uma pegada mais esportiva, mas as maiores evoluções aparecem na atualização mecânica e aprimoramentos nos quesitos conectividade e segurança. É uma forma da picape da Chevrolet se preparar para a chegada, em breve, de uma versão renovada da arquirrival e líder de vendas Toyota Hilux.
Chevrolet S10 High Country 2021
Preço substancial R$ 125.390Coche medido R$ 213.290
Motores: quatro cilindros em risca 2.8, 16V, duplo comando de válvulas, turboCilindrada: 2776 cm3Combustível: dieselPotência: 200 cv a 3.400 rpmTorque: 51 kgfm a 2.000 rpmCâmbio: automático, seis marchasDireção: elétricaSuspensões: braços sobrepostos (d) e eixo rígido (t)Freios: disco ventilado (d) e tambor (t)Tração: 4×2 ou 4×4, com reduzidaDimensões: 5,361 m (c), 1,874 m (l), 1,831 m (a)Entre-eixos: 3,096 mPneus: 265/60 R18Caçamba: 1.329 litrosTanque: 76 litrosPeso: 2.042 kg0-100 km/h: 10s1Vel. máxima: 180 km/hConsumo cidade: 8,3 km/lConsumo estrada: 10,6 km/lEmissão de CO2 212 g/kmConsumo nota: CNota do Inmetro: DClassificação na categoria: C (Picape)

Preços da novidade Chevrolet S10 2021
CD Diesel 4×4High Country – R$ 213.290 (AT6)*LTZ – R$ 206.190 (AT6)*LT – R$ 187.590 (AT6)*LS – R$ 169.200 (MT6)*mesmo preço da risca 2020
CS Diesel 4×4LS – R$ 167.200 (MT6)
Chassi CabLS – R$ 158.500 (MT6)
CD Flex 4×4LTZ – R$ 156.690 (AT6)
CD Flex 4×2LTZ – R$ 146.790 (AT6)LT – R$ 141.990 (AT6)
CD Flex 4×2ADVANTAGE – R$ 125.390 (MT6)
 
Um pouco de história
A produção no Brasil começou em 1995 derivada do padrão norte-americano – a Chevrolet Alvorada dos anos 1960 foi o padrão que inaugurou o segmento de picapes com cabine dupla. A estreia em nosso mercado ocorreu na carroceria de cabine simples e sob o capô trazia um motor 2.2 EFI a gasolina e câmbio manual de cinco marchas. Esse conjunto entregava 106 cv de potência e tinha opção de freios traseiros com ABS.
Foto: Primeira Chevrolet S10 (Divulgação)
A feitio Cabine Estendida veio no ano de 1996 oferecendo 37 cm a mais no entre-eixos para acomodar dois banquinhos escamoteáveis (foto aquém). No mesmo ano, vieram os motores 2.5 Turbo Diesel HST (High Speed Turbo) de 95 cv, que possibilitou enaltecer a capacidade de trouxa para uma tonelada, e o V6 Vortec com injeção eletrônica sequencial centralizada (SCPI) de 180 cv.
Formato Cabine Estendida tinha dois bancos laterais escamoteáveis (Foto: Divulgação)
Em 1997, debutou a carroceria Cabine Dupla com quatro portas, além da luxuosa feitio Executive, com destaque para os itens de conforto/conveniência, porquê o banco do motorista ajustável eletricamente.
No ano seguinte, o conjunto 2.2 a gasolina ganha a injeção eletrônica multiponto sequencial (MPFI) e aparecem 113 cv. Em 1998, outras novidades introduzidas foram a tração 4×4, disponível para toda a gama, e a edição Champ 98, que fazia referência a Despensa do Mundo de Futebol da França.

A primeira atualização estética aconteceu em 1999, com novos para-choque frontal, grade do radiador e faróis. Em segurança, vieram os freios com ABS nas quatro rodas e o airbag para o motorista. O motor 2.8 MWM tinha 132 cv e 34 kgfm de torque. A caixa automática com controlador da velocidade de cruzeiro era disponibilizada na versão Executive V6 de Cabine Dupla.
Outra mudança técnica ocorreu na suspensão traseira ao trocar as molas semielípticas pelas parabólicas para aumentar o conforto de rodagem. A risca 1999 também trouxe a edição Barretos – uma homenagem à cidade conhecida pela tradicional sarau de peão boiadeiro.
A terceira geração apareceu no Salão de São Paulo de 2000. Revigorada por dentro e por fora, o motor 2.2 a gasolina virou um 2.4 de 128 cv. Passados dois anos, em 2002, o V6 Vortec teve a potência elevada para 192 cv, enquanto a edição Sertões celebrou o bicampeonato da S10 no Rally dos Sertões.
A risca 2003 recebeu uma atualização pontual e novos amortecedores. No ano seguinte (2004), o trabalhador renomeou as versões para Advantage (ingresso), Colina (intermediária) e Tornado (luxo). Unicamente a Executive se manteve inalterada.
Outra diferença visual aconteceu em 2006 e a tecnologia flex veio, em 2007. O motor 2.4 oferecia até 147 cv. Dois anos depois (2009), a Chevrolet S10 ganhou uma novidade mexida estética e a série Rodeio voltou a ser oferecida, em 2010.
A quarta geração apareceu em 2012 exibindo uma inspiração na ‘mana” Colorado e 27 novas tecnologias incorporadas ao utilitário médio. O novo motor 2.8 turbodiesel de 180 cv passou a entregar 200 cv e 51 kgfm, em 2013.
O ano de 2014 tirou de cena o 2.4 flex para as versões mais completas em troca do 2.5 Ecotec Flex de até 206 cv e 27,3 kgfm. As suspensões foram modificadas para beneficiar o conforto de rodagem.
A versão High Country celebrou os 20 anos da ‘picapona‘, em 2015. No ano seguinte, o 2.4 saiu de produção ao passo que a médio multimídia MyLink ganhou a conectividade Android Auto/Apple CarPlay.
Formato High Country (Foto: Divulgação)
Uma boa mudança técnica veio com a instalação do sistema CPA (Centrifugal Pendulum Absorber) para diminuir a vibração e ruídos, em 2017. Pretérito um ano, era a vez da feitio Midnight – outra série privativo foi a S10 100 Years, cuja produção foi limitada em 450 unidades. No ano pretérito, toda a gama recebeu os controles eletrônicos de tração/segurança.
Foto: o destaque da versão Midnight está no visual escurecido (Foto: Divulgação)
Veja também
+ A livraria básica do motociclista cool

+ Tomografia revela que múmias egípcias não são humanas

+ Varão compra Lamborghini posteriormente fraude em auxílio emergencial

+ Os 20 carros 1.0 mais econômicos do mercado brasílio

+ Restaurar um carro: quanto custa e quanto ele pode valorizar





Fonte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − catorze =