ascensão e queda da chinesa no mercado financeiro



A Kandi America provou duas coisas no mercado automotivo e financeiro dos EUA. A primeira é que os americanos gostam de carros elétricos. A segunda é que, não adianta a audiência, você precisa de números para ir muito.No primeiro caso, a Kandi America, que é filial da chinesa Kandi, tinha tudo para estrear muito no mercado americano e surpreender os investidores.Enfim, com incentivos federais, seus dois modelos custam de US$ 10 milénio a US$ 20 milénio, num segmento onde os carros elétricos geralmente ficam na mansão dos US$ 30 milénio.Apesar de o K27 ser um padrão restringido (a máxima é de 102 km/h), que tem pouca autonomia (160 km), ele é classificado uma vez que um veículo generalidade e isso permite viajar em rodovias e ser emplacado normalmente.Já o K23 é um monovolume mais completo e que pode chegar a 112 km/h, tendo ainda autonomia para rodar 302 km. Ele vai custar no sumo US$ 19.990. Até aí, tudo muito.Quando iniciou a live de apresentação dos dois carros nos EUA, a Kandi reuniu uma audiência de 11 milénio pessoas. Isso estava sendo monitorado pela Nasdaq, onde suas ações estão listadas.Só no final de julho, a marca já havia conseguido ver suas ações subirem 140% no dia seguinte ao proclamação das vendas. De lá para cá, elas continuaram em subida na bolsa eletrônica de Wall Street.E portanto, posteriormente a live de apresentação dos K23 e K27, a Kandi teve que revelar a quantidade de reservas feitas para a dupla de elétricos importada da China: 436 carros.Para a verdade americana, 436 pedidos de US$ 100, que são reembolsáveis, é simplesmente um sinistro! Isto visto pelo lado financeiro da coisa.Depois isso, rapidamente o valor das ações da Kandi caíram vertiginosamente na Nasdaq, com cada uma sendo negociada entre US$ 3 e US$ diante de US$ 10,60 no dia do lançamento.Isso mostra que o mercado financeiro dos EUA não perdoa a falta de números. O entusiamo dos investidores com a Kandi murchou com a baixa quantidade de pedidos feitos.Para tentar indemnizar, a Kandi diz que pretende atuar de forma mais agressiva no mercado americano e fechar parcerias com empresas públicas na fronteira EUA-México.Apesar dos preços e das propostas, os dois modelos da Kandi não empolgam. Se ainda fosse o trio de elétricos da ORA, que pertence à Great Wall, certamente as coisas teriam sido muito diferentes. Isso vale de prelecção e tirocínio para os chineses nos states…[Fonte: TTAC]   O que você achou desta notícia?



Fonte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

9 + 11 =